Quem foi Carlos Gardel?


Carlos Gardel é o mais genuíno ícone do tango. Foi compositor, intérprete e ator de inúmeras canções e musicais.

Com ele, o cadenciado ritmo portenho ganhou uma faceta mais romântica e deu volta ao mundo. Gardel foi um personagem emblemático em vida e sua trágica e prematura morte terminou de potencializar o mito. Ainda hoje, continua sendo uma das personalidades mais queridas da Argentina. Seus seguidores costumam dizer que ele “canta cada dia melhor”.

Diz a história que Carlos Gardel nasceu Charles Romuald Gardes no dia 11 de dezembro de 1890, em Toulouse, França. Filho de pai desconhecido, chegou a Buenos Aires com sua mãe Berthe Gardes quando tinha apenas 2 anos. No entanto, sempre existiu controvérsia sobre esses dados, já que outros conhecedores defendem que Gardel nasceu no município uruguaio de Tacuarembó alguns anos antes.

O certo é que morou boa parte de sua vida no bairro portenho do Abasto, o que lhe valeu o apelido de “El morocho del Abasto” (“O moreno do Abasto”). Teve uma infância pobre e desde cedo fez pequenos bicos.

Começou a cantar ainda muito jovem com o nome artístico de Carlos Gardel. Em 1911, formou uma dupla de música folclórica com o cantor uruguaio José Razzano. O reconhecimento veio em 1914, quando passaram a se apresentar regularmente no prestigioso cabaré Armenonville, em Buenos Aires.

No ano de 1917, Gardel e Razzano se tornaram os primeiros intérpretes de tango com a canção “Mi noche triste”, já que na época o tango era somente instrumental. A partir de então, passaram a incluir esse ritmo em seu repertório. No mesmo ano, Gardel protagonizou seu primeiro filme, o mudo “Flor de durazno” (“Flor de pêssego”). Em 1923, se nacionalizou argentino, fazendo jus a outro de seus famosos apelidos: “El zorzal criollo” (algo assim como “sabiá das pampas”).

Quando a dupla se separou em 1925, Gardel já era popular na América Latina, na Espanha e na França. Porém, 1927 foi o ano de sua consagração na Europa, alcançando enorme sucesso especialmente em Paris.

Em 1931 e 1932, foi contratado pelo estúdio de cinema Paramount para protagonizar quatro filmes rodados na cidade de Joinville, França. Em três deles contou com a colaboração do letrista Alfredo Le Pera.

Entre 1934 e 1935 conquistou o mercado dos Estados Unidos, com a ajuda da Paramountamericana. Lá ele gravou vários discos, cantou na mítica rádio NBC de Nova York e protagonizou cinco filmes musicais de grande sucesso que estenderam ainda mais a sua fama.

Gardel faleceu em 24 de junho de 1935, no auge da carreira, devido a um desastre aéreo ocorrido na cidade colombiana de Medellín durante uma turnê latino-americana. Não se casou nem teve filhos, mas manteve um amor devocional por sua batalhadora mãe, a quem deixou toda a sua herança.

Fonte: https://www.mibuenosairesquerido.com